Início > Mundo Empresarial > Modelos de negócio vs neutralidade da Internet

Modelos de negócio vs neutralidade da Internet

21 de Agosto de 2010 Deixe um comentário Go to comments

O mundo evolui e os modelos de negócios de há 30 anos atrás permanecem intactos…depois existem guerras desnecessárias em várias frentes, desta vez é pela neutralidade da Internet.

A neutralidade da rede (ou neutralidade da Internet, ou princípio de neutralidade) significa que todas as informações que navegam na rede devem ser tratadas da mesma forma, navegando à mesma velocidade. É este princípio que garante o livre acesso a qualquer tipo de informação na rede.

Uma coisa que defendo é que as regras do mundo real sejam aplicadas ao nível da Internet, até aqui tudo bem, a Internet não é nenhuma entidade impune como é o Vaticano por exemplo. No entanto, existem modelos de negócio como os das editoras áudio que está mesmo ultrapassado e as redes P2P vieram para ficar, não há volta a dar!
Os artistas merecem reconhecimento e só 20% do valor de um disco reverte a seu favor, aliás, até penso que seja menos pois até os ISP pagam uma taxa às editoras (ridículo).
Músicas avulso, discos em formato digital baratos e assim era o caminho.

Mas agora o hype é a Google com o seu Street View e toda a polémica já gerada em torno da falta de privacidade de matrículas e caras de pessoas. Ok, correcto, é legítimo reclamar por mais privacidade mas também temos de ser razoáveis ao ponto de compreendermos que tratar todas as imagens capturadas é um processo moroso…a Google neste aspecto comete delito e depois corrige, também não sei como apelidar esta “isenção”.
Também ver uma foto do meu Picasa com tags da latitude e longitude associadas ao Street View não é propriamente o que mais desejava…mas existem leis a aceitar antes de aderir a um serviço. Se não colocar a localização está tranquilo/a. Mas o utilizador pode ser ignorante e armar logo “berreiro” por causa disto…se tivesse lido os termos de utilização ficaria informado! Mas isto também pode ser muito bom para o comércio, onde tiro foto à fachada da loja, publico e associo as tags geolocalizadoras…

Depois vem ainda a Google mas com a Verizon, uma operadora móvel dos EUA, que fizeram uma proposta ao regulador americano das telecomunicações (uma ANACOM lá do sítio) onde defendem que as empresas possam pagar aos operadores de redes móveis para que os dados dos respectivos sites e serviços circulem mais depressa do que os de quem não pagar.
Acho muito mal, se formos bons temos sucesso, não é necessário que hajam prioridades nos pacotes para certos sites/serviços porque se eu lanço um portal bom tenho visitantes, se lanço mau tenho poucos.
Isto simplificando, como li em comentários no site do Público é:
1º caso: Suponhamos que deseja ver um vídeo no YouTube mas o seu  ISP é o Sapo, cada vez que tentar assistir ao vídeo terá dificuldades devido à baixa prioridade dos pacotes que navegam entre a rede da Sapo e do YouTube, fazendo o vídeo parar a meio diversas vezes, contudo, o Sapo também oferece um serviço de vídeos semelhante ao YouTube, para seu espanto a velocidade é muito superior e o vídeo não “engasga”, muito possivelmente em breve irá passar a assistir a vídeos apenas no site do Sapo.
2º caso: supúnhamos que tem uma conta Skype e que o seu ISP (Netcabo, Sapo, Vodafone, etc.) também oferece o serviço de telefone VoIP. Em breve você começa a reparar que a qualidade da ligação ao Skype é muito má e que raramente consegue terminar uma conversa, como o seu ISP também oferece o serviço de telefone VoIP, muito possivelmente no futuro irá contratar o serviço deles, por um preço relativamente baixo, visto que já dispõe de outros serviços.
Defendem que os pequenos poderão ter mais oportunidades…então e para que serve o pessoal licenciado em Marketing? Enfim…

Então e quem nunca levou com traffic shapping na sua ligação? Eu por exemplo, a PT nunca o praticou mas tenho conhecimento que muitas outras operadoras praticam, isto assim de forma simples é: a dada hora vê a sua velocidade dos torrents ou outra rede P2P baixar drasticamente enquanto que a velocidade a navegar páginas continua boa.

Se esta liberdade de acesso acaba só os grandes vencem, ao contrário do que se pensa, a sua importância será potenciada e o bolso de certas empresas ditará o sucesso ou fracasso dos seus serviços ou produtos na web. Acham mesmo que os pequenos conseguem suportar custos perante uma Google ou outra empresa grande? Claro que não e muita gente já começa a achar que a Internet é da Google ou pior, a Internet é a Google!

A grande mais valia da Internet é encurtar distâncias e fornecer toda e qualquer informação, sem distinção de raças ou países (excluindo os ainda ditadores). As mentalidades do tempo da Segunda Guerra Mundial têm de ser destruídas…esta liberdade que temos incomoda muita gente, isto é mais que óbvio!

Anúncios
Categorias:Mundo Empresarial
  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: